Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Concurso’

Your Singapore.com

A Singapore Tourism Board está promovendo Cingapura como um destino turístico mundial em www.yoursingapore.com, um site que permite aos visitantes personalizar a sua experiência e criar uma Singapura que ama. Lançada em março de 2010, a campanha substitui a abordagem Uniquely Singapore e promove a Cingapura de atrações diversas, incluindo a agitação da vida noturna, delícias do comércio de rua, ou tranquilidade de um passeio entre as árvores. Abaixo alguns logotipos desenvolvidos.

The inspiration Room

Anúncios

Read Full Post »

A melhor ilusão de óptica de 2010

No dia 10 de maio, o cientista japonês Kokichi Sugihara anunciou a descoberta de uma tecnologia que qualquer estudante sabe ser impossível: um magneto que atrai madeira. Na frente de centenas de pessoas, ele exibiu um vídeo que mostra quatro bolas de madeira rolando para cima por quatro rampas, supostamente atraídas encosta acima por seu novo super-magneto.

A audiência aplaudiu entusiasticamente, embora ninguém tivesse acreditado que realmente houvesse magnetos por trás da demonstração de desafio à gravidade.

Isto porque Sugihara e outros estavam exibindo as mais recentes ilusões visuais – projetadas para enganar a mente e fazê-la ver o impossível – durante o 6º Festival Anual do Concurso A Melhor Ilusão do Ano no Philharmonic Center for the Arts, na cidade de Naples, Flórida.

O engenhoso despositivo de rampas e bolas de madeira de Sugihara ganhou o primeiro prêmio, derrotando outros 83 competidores.

O evento, que se realiza durante uma convenção da Sociedade de Ciências Visuais, atrai artistas e pesquisadores que estudam a “ginástica mental” realizada por nossos cérebros para conseguir fazer sentido do que nossos olhos veem. Os participantes se reúnem anualmente para conhecer e aprender com as novas ilusões produzidas a cada ano.

Sugihara criou sua ilusão com um programa de computador que testou como diferentes disposições de rampas pareceriam, vistas de diferentes ângulos. O padrão final em forma de cruz contém quatro rampas de diferentes comprimentos que, obviamente, se inclinam para baixo em direção ao centro, menos por um único ponto de vista. Apenas deste ângulo “certo”, a mente decide que é mais simples ver quatro rampas de igual comprimento que se elevam em direção ao centro.

“Nós preferimos enxergar formas retangulares”, afirma Sugihara do Instituto Meiji para Estudos Avançados de Ciências Matemáticas em Kawasaki, Japão.

Daniel Simons da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, se vestiu a caráter para a ocasião, exibindo um vídeo dele próprio em uma fantasia de gorila, para demonstrar os limites da percepção que temos de nosso ambiente. Ele reproduziu uma experiência de seis anos atrás que pede aos espectadores que contem o número de vezes que jogadores de basquete passam a bola. Cerca de metade das pessoas que assiste ao vídeo, não consegue perceber um gorila passando pelo meio do jogo.

Porém, desta vez, Simons avisou o público antes. Esperando pelo inesperado, eles viram o gorila, mas deixaram passar outras mudanças no cenário:  cortinas que mudavam de cor, jogadores de basquete que abandonavam o jogo e um homem fantasiado de pirata.

Muitas das ilusões revelam distorções no que vemos baseadas em nossas experiências anteriores.

Cartazes com anúncios, por exemplo, podem parecer tridimensionais sem o uso de óculos 3D, de acordo com a finalista Lydia Manitis da Universidade Americana em Washington, D.C. Uma foto de uma banheira parecia esticar e encolher na medida em que ela andava próximo com uma câmara de vídeo. Ela mudava de formato e tamanho da mesma forma que uma banheira de verdade em um banheiro de verdade o faria, refletindo uma mudança na perspectiva.

Peter Thompson, um psicólogo na Universidade de York, Reino Unido, mostrou que as pessoas parecem mais magras de cabeça para baixo. Em sua ilusão, um rosto de cabeça para baixo – ou uma face apenas com os olhos e a boca de cabeça para baixo – parece mais estreito, por causa da maneira como prestamos atenção às características faciais.

O segundo lugar ficou com Bart Anderson da Universidade de Sidney, Austrália, por uma animação na qual um quadrado parece aparecer acima de círculos que se movem para frente e para trás – um fantasma produzido pelas tentativas feitas pelo cérebro para resolver o que ele está vendo.

Os troféus dos vencedores, esculturas criadas pelo artista italiano Guido Moretti, são eles mesmos ilusões visuais que mudam de forma, dependendo do ângulo pelo qual são vistos.

Para ver todos os outros finalistas, visite a página da Neural Correlate Society.

Read Full Post »